Deu certo, mas só uma vez…

Todos os anos surgem novos artistas e isso é de conhecimento geral. Com isso a dificuldade de emplacar algum hit nas paradas mundiais ou nacionais se complica, afinal cair no gosto popular não é tão fácil assim, não é qualquer “eu quero tchu, eu quero tchá” (sic) que dá certo.

Qualidade nem sempre é relevante nesse caso. Se é questão de sorte ou não, não podemos dizer ao certo. Quer dizer, acreditamos que seja sim…

Chamados de One Hit Wonders, esses artistas surgem do nada com um mega hit, conquistam paradas musicais, fãs, números expressivos de vendas e visualizações no YouTube e pro nada voltam. Alguns ainda ensaiam vários hits antes daquele estourar e não conseguem mais nada e depois caem no esquecimento.

No Brasil temos um extenso catálogo de One Hit Wonders: você lembra de Tô Nem Aí? É óbvio que lembra!

Luka apareceu com essa música por volta de 2003.  Fazia parte da trilha da temporada de Malhação (que naquela época fazia muito sucesso). A música virou febre: não saía das rádios e todo mundo (todo mundo mesmo) cantarolava.

Aparições em excesso em tudo quanto é programa de TV parece não ter sido suficiente. Luka ainda lançou um álbum em 2003 pegando carona no mega sucesso de Tô Nem Aí, mas não emplacou mais nenhuma música como desejava e caiu no esquecimento. Hoje se dedica a vida pessoal.

 

No fim de 2009 a Billboard, como de praxe em todo fim de década, listou seus maiores destaques da década. A publicação não poderia deixar de citar cantores de um hit só, e quem tomou conta do topo daquela lista foi o cantor Daniel Powter com o hit Bad Day, de 2005.

Daniel ainda lançou outros álbuns posteriormente – recomendo você dar uma olhada na discografia dele, tá completinha no Spotify – mas sem sucesso como O Hit.

Recentemente tivemos a canadense Carly Rae Jepsey (citei ela em outro texto) que foi o fenômeno de 2012 com Call Me Maybe que virou um mega hit graças a viralização pelo YouTube e com direito a indicações no Grammy e semanas no topo da Billboard Hot 100. Lançou alguns singles em 2015 sem sucesso e seu segundo álbum finalmente saiu, o Emotion que tem feito sucesso com a crítica e chegou ao mercado americano essa semana sem muitas expectativas.

E quem aqui não se lembra do mega hit que foi A Thousand Miles da Vanessa Carlton? E Torn, da Natalia Imbruglia? Ou o mega hit Stereo Love com o que parecia uma sanfona e dominou as paradas musicais por meses em meados de 2009/2010?

 

Também devo citar dois exemplos em específico: Jojo e Cassie. Jojo apareceu com Too Little Too Late emplacou a música rapidamente, mas como nem tudo são flores nesse meio, a garota se viu controlada pela gravadora, onde por algum motivo não teve mais oportunidades de lançar outros singles, nem outros álbuns. Voltou essa semana com novos singles. Cassie por sua vez lançou o elogiado primeiro álbum auto-intitulado, em 2006, sobre a impecável produção de Ryan Leslie, porém rendeu apenas dois singles, Me & U e Long Way 2 Go, emplacando apenas a primeira. Por motivos ainda desconhecidos tem trabalhado em um segundo álbum desde então e até hoje sem previsão de lançamento.

São muitos nomes surgindo (e ressurgindo) a cada ano como eu disse no começo do texto e com isso inúmeras possibilidades de novos hits, novos virais (lembram de Gangnam Style, certo?), novos fenômenos. Mas também novos fracassos, outros artistas esquecidos. Mas aí vai um conselho: não se prendam a isso, procurem conhecer novos lançamentos desses artistas que buscam manter sua qualidade, ou aperfeiçoá-la como a Carly fez no Emotion.

Pra refrescar sua memória montamos uma mixtape com alguns hits citados e outros que dispensam apresentações. Ouça:

spotify:user:evandromelo:playlist:1XJetl1XkgpaM5ebKaGUto