Peter Aristone fala do novo trabalho pra gente!

Me lembro como se fosse hoje quando eu ouvi o nome de Peter Aristone pela primeira vez. Início de 2014 e o anúncio de que ele iria lançar um single com a Sporty Spice Melanie C. Meus olhos arregalaram e eu queria saber mais sobre quem era esse cantor que minha musa maior estava colaborando.

Peter é da Eslováquia, mas há anos mora em Praga, onde estudou canto e produção musical, no renomado Conservatório da cidade, e se tornou também engenheiro de som. Começou a carreira musical produzindo, mas queria ter a experiência também de estar à frente dos holofotes.

Foi aí que surgiu a Popcorn Drama. Uma banda de pop-rock que fez sucesso na República Tcheca. A banda se desfez mas Peter continuou compondo e trabalhando seu lado criativo. Morou por algum tempo em Los Angeles e depois foi pra Londres.

Aí veio o primeiro álbum solo Nineteen Days in Tetbury, produzido pelo incrível Greg Harver, que foi responsável pela produção de Beautiful Intensions, da Melanie C. Desse disco do Peter surgiram singles como Sunlight e o dueto com a Sporty Spice em Cool As You. Peter nos disse como conheceu Greg : “Conheci o Greg por acidente. Eu estava procurando um produtor para o meu disco de estreia. Eu e minha gravadora Brainzone estávamos enviando minhas demos para diversas agências de música, dentre elas a Stephen Budd Management. Eles são muito bons porque apresentam as músicas pra grandes produtores da Inglaterra. Conheci todos eles, mas acabei escolhendo o Greg por sua atitude e pela sua paixão pela música.”

Durante minha estada em Londres, no ano passado, pude assistir o Peter ao vivo em três oportunidades. E nosso contato passou a ser grande. Viramos grandes amigos. Daqueles de trocar algumas confidencias bem pessoais e isso me dá a liberdade de poder falar sobre ele tão abertamente neste texto. O som dele é uma mistura de pop/rock mas menos comercial. E é engraçado que realmente parece com o som feito no Leste Europeu. Tem outro tipo de sonoridade. Pelo menos tinha neste álbum de estreia da sua carreira solo.

Desde meados de 2014 Peter está se revezando entre Praga, Londres e Estocolmo trabalhando com compositores como Sacha Skarbek (James Blunt, Miley Cyrus e Adele). O primeiro fruto desta nova fase saiu em abril: o single No Second Time Around.

Sacha Skarbek é o produtor do EP que Peter grava neste mês de setembro, junto a Flo. Peter conheceu Sacha em um pub inglês, quando o produtor foi assistir o cantor performando versões acústicas de suas músicas. Decidiram então trabalhar juntos. E Peter nos contou também como tem sido o processo criativo para este novo trabalho. Pelas demos que podem ser ouvidas em seu canal no Soundcloud podemos perceber um novo caminho, uma nova sonoridade vindo do cantor, que pode ser compreendido diante diversas mudanças em sua vida nos últimos meses.

“Vai ser um EP com apenas 5 faixas. Eu realmente tenho composto muita coisa e estava realmente inspirado desde o lançamento do meu álbum e ainda me sinto bastante inspirado. Minha vida tem sido uma verdadeira estrada torta. Passei por muitas mudanças, não somente musicais mas na minha vida pessoal. Classifico esse momento como “experimental” em diversas maneiras e eu só queria colocar essa tensão pra fora e aí é que é o melhor momento pra escrever canções. Foi fácil colocar no papel. A inspiração vem da minha própria vida.” 

As novas demos divulgadas pelo cantor nos últimos meses tem mostrado um Peter diferente do que estava acostumado. Saíram um pouco de guitarras e entraram novos instrumentos nas suas canções. Tá soando mais pop do que rock. Perguntado sobre sua nova “identidade” musical, Peter diz:

“Essa é uma boa pergunta, porque agora eu sinto muito mais honesto com minha música. Sim, talvez eu soe menos rock, não sei, mas provavelmente é como deve ser. Basicamente essa nova “identidade”, como você chamou, tem a ver muito mais com o cantor-compositor e seu violão expressando seus próprios sentimentos e visões da vida ou qualquer coisa que venha do coração. Tenho focado em ser o mais autêntico que eu posso. E isso me remete ao passado, quando tinha 15 anos e estava aprendendo a tocar guitarra e a escrever minhas primeiras canções. Realmente me sinto muito bem agora!”. 

Pra encerrar a gente falou sobre as lições que a vida deu e os desafios pra ele se tornar o artista que ele é hoje, já que o cantor fala sobre as dificuldades que enfrentou nos últimos tempos.


“Ah, foram muito desafios. A vida toda é um desafio. Nós estamos nos desafiando o tempo todo e é isso o que faz as pessoas crescerem. Tenho composto diferentes estilos de canções também para outros artistas, o que nem sempre é fácil. Especialmente porque não é a sua visão sobre o trabalho. Quanto você escreve para outros você também se desafia como artista, mas explorando muitos caminhos de como fazer música. E aí você percebe a infinidade de caminhos que você tem. O difícil é escolher a direção, o que é um grande desafio. Mas a maior lição que eu aprendi neste tempo foi a de não querer ou tentar ser perfeito e relaxar mais. Por exemplo, eu tendo a ser muito rígido com minha performance vocal. Mas o quanto mais eu canto ao vivo percebo que as pessoas reagem mais à minha emoção do que aos notas perfeitas da voz. O que tem me feito relaxar bastante no palco”.

O cantor segue agora em Outubro com sua turnê com shows agendados em Praga e também em Bratislava, na Eslováquia.

A gente só tem a desejar sorte e esperar as faixas de estúdio do novo EP porque pelas demos já dá para ver que o som é ótimo!

Ouça o Peter no Spotify: