Shamir, um som diferente que vem de Las Vegas

Ele tem só 20 anos de idade e é dono de um estilo único. Shamir Bailey ou só Shamir, como é seu nome artístico, nasceu em Las Vegas e traz ao mundo uma música bem diferente do que os últimos artistas de Vegas tem oferecido aos nossos ouvidos, vide The Killers e Imagine Dragons.

Seu perfil no Twitter o descreve como músico, comediante, cantor, rapper, twerker, escritor… e por aí vai.  Ele foi criado sob a religião islâmica, mas não é muçulmano. Prefere dizer que é “mais espiritual do que religioso”.

Gay assumido, o cantor também não gosta de ser classificado como gay pois diz que não é homem nem mulher.  Deixa livre para interpretações.

Entre as suas influências nomes como Billie Holiday e Outkast. Aos nove anos de idade já estava compondo. Aos 16 já tinha uma banda punk, mas que acabou ainda no primeiro show após o amigo de banda “congelar” no palco. hHAHAHA.

É perceptível o gosto de Shamir pela moda e isso é explicado. Enquanto gravava seu primeiro EP, no próprio quarto, ele tinha um trabalho diurno como vendedor na loja de roupas Topshop. O primeiro EP Northtown saiu em Junho de 2014 e foi muito bem recebido pela crítica. O cara até apareceu na lista de final de ano da BBC como grande promessa da música.

Ratchet é o primeiro álbum do cantor e foi lançado há pouco mais de quatro meses. No Metascore, do Metacritics – ranking baseado nas críticas sobre o álbum divulgadas pela imprensa – o disco tem nota 80/100. O Pitchfork disse que o cantor “exorciza demônios da infância” no álbum. A revista Spin disse que é o “melhor álbum de estreia do ano!”.

O semanário inglês NME conseguiu definir bem o estilo do cara. “Parece incrível alguém que nasceu em 1994 ter conseguido captar o inferno da plasticidade musical dos anos 80”.

E é isso mesmo. O cara mistura soul, funk, eletro, new wave, pop e tudo mais num caldeirão e criou o seu estilo único. Tem que ter muito ousado, criativo e desapegado para fazer o que ele faz. É pra poucos e é por isso que ele merece mais e mais a nossa atenção.

Tagged with: