Uma obra-prima chamada Jesuton!

Todos sabem que aqui no Música Inspira nós fazemos de tudo para apresentar trabalhos primorosos e que inspirem pro bem. E com a Jesuton não será diferente. Além de ser linda, ter uma voz deliciosamente boa e fazer música de qualidade, a moça emana inspiração no quesito determinação. Solta o play e vem que vamos explicar porque!

 

 

Rachel Jesuton Olaolu Amosu nasceu em Londres, mas foi aqui no Brasil que ela começou a encantar seus ouvintes. Numa mistura de Jamaica (mãe) com Nigéria (pai), a moça sempre se inspirou na cultura latina e na música para guiar seus passos. Na Oxford University (Londres), ela se aprofundou na cultura latina ao estudar Ciências Humanas. Seus vídeos, gravados enquanto ela cantava em praças do Rio de Janeiro, lhe deram destaque na Internet pela qualidade do seu trabalho. Entre seus covers estão artistas como Adele, Amy Winehouse, The Rolling Stones, e outros.

 

 

Jesuton encantou o apresentador Luciano Huck, que a levou em seu programa, e em seguida assinou contrato com a Som Livre, onde pôde gravar seus álbuns e fazer shows Brasil afora.

E nós não perdemos tempo, e a fizemos algumas perguntas que foram respondidas com todo o carinho e atenção do mundo! Confiram!

MI – Qual a diferença entre cantar no Brasil e cantar fora do Brasil?

J – Pouca coisa, na verdade. Canto sempre para mim, independente do lugar. Um ato que depende mais do meu universo interior do que do exterior.

MI – Prefere cantar em Inglês, que é a sua língua oficial, ou em Português? Há planos para mais gravações em Português?

J – Prefiro cantar em inglês porque assim consigo deixar de pensar e me conecto melhor com as sensações e sentimentos que estão sendo transmitidos através da música. Quando canto em português acabo focando muito mais na pronúncia e me preocupando sobre o que estou fazendo, o que as pessoas estão achando. Nada a ver! E tem tanta coisa linda em português que gostaria de cantar um dia… mas antes preciso conseguir resolver isso tudo dentro de mim!

 

 

MI – Se pudesse regravar um canção recente, qual seria?

J – Regravar não sei, mas fiquei um tempo sem poder tirar ‘Coffee’, do Miguel, da cabeça.

MI – No que você acha que inspira as pessoas que te escutam?

J – Boa pergunta! Só posso falar das coisas que me contam de vez em quando: que a minha voz faz com que eles sintam alguma coisa. Isso é maravilhoso! Todos os dias procuro as coisas que causem esse efeito em mim.

MI – Qual o principal efeito que suas inspirações causam em seu trabalho?

J – O efeito de mudar a minha perspectiva. Muitas coisas cotidianas me inspiram. Me fazem mudar meu jeito de olhar em volta e reconsiderar sentimentos sobre o passado. Assim, até cantar a mesma música fica diferente a cada vez que canto, porque cada dia sou uma pessoa distinta. Meus sentimentos sobre o mundo, sobre mim mesma, sobre como diferentes situações se desenvolvem… e assim a conversa emocional que tenho com cada música também é diferente.