09 discos ignorados que você deveria ouvir

A gente já falou aqui incontáveis vezes, de diversas formas, sobre a quantidade de artistas que não conseguem fazer sucesso. Mesmo tendo a consciência que a definição de sucesso é relativa a cada um, batemos sempre nessa tecla sempre com a intenção de que as pessoas possam expandir seus horizontes, muito além do que inunda nossas redes sociais ou aparecem pela mídia aos montes.

Artistas que já foram nomes de sucesso e hoje são esquecidos, artistas de carreiras consolidadas mas que seguiram trabalhos paralelos e não obtiveram o mesmo sucesso, artistas de apenas um hit. Garimpando bem a internet, esse imenso catálogo quase infinito de opções, de oportunidades de se ouvir boa música.

Decidimos então preparam uma lista com 10 discos que foram ignorados quando lançados e que provavelmente você ainda não ouviu – se já ouviu compartilhe com a gente suas opiniões sobre o disco.

billie joe armstrong e norah jones – foreverly

Uma parceria inusitada revivendo uma coletânea de canções mais inusitadas ainda. O guitarrista e vocalista do Green DayBillie Joe Armstrong se juntou a Norah Jones pra reviver um clássico de 1958, o disco Songs Our Daddy Taught Us do The Everly Brothers, dupla – ou banda, como preferir – de Rock que flertava com o Country nos anos 50.

A dupla da antiga decidiu interromper uma sequência de sucessos pra gravar um disco diferente: uma homenagem a suas raízes, com forte influência do Folk e repleto de lamentos Country, apenas com violões e harmonias. Em 2013 Billie ouviu o disco mais algumas vezes e decidiu que era a hora de levar a “tradição a frente”, regravando as canções e convidando assim Norah pra acompanhá-lo na empreitada.

amerie – because i love it

Amerie estava feliz da vida com seu mega hit 1 Thing, de 2005 (que foi trilha de um filme hollywoodiano), canção que a fez ser indicada a melhores premiações, incluindo a um Grammy, tanto sucesso assim se limitou apenas a esse único hit de toda uma carreira.

Em 2007 a americana de origem africana e sul-coreana, lançava seu terceiro disco da carreira, Because I Love It, inspirado na música Pop e no RnB que permeavam as rádios e mídias entre o fim dos anos 80 e o início dos anos 90. O som típico, o ritmo, as batidas, o romantismo e diversão e os efeitos sonoros das músicas da época eram revividos no disco, porém tudo passou bem batido e a cantora não conseguiu emplacar nem os singles, nem o disco, resultando até em sua demissão da gravadora.

karise eden – things i’ve done

Karise Eden foi a vencedora da primeira edição do The Voice Austrália, isso lá em 2012. A cantora é conhecida pelos fãs do reality por ser dona da melhor performance de todas as edições (de todos os lugares) nas Blind Audition’s – tire a prova aqui.

Em 2014 Karise lançou seu segundo disco, Things I’ve Done, de grande sucesso, mas se limitou apenas ao seu país natal. Com um pop-rock de primeira linha, qualidade vocal excepcional e letras fortes, Karise merece estar tocando AGORA em seu rádio!

gabriella cilmi – the sting

Outra australiana que você deveria ouvir.
Assim como Amerie, Gabriella Cilmi meio que se tornou “vítima” de sua própria criação: uma canção que virou um mega hit e acabou ofuscando todos os outros trabalhos. O único grande hit de Gabriella se deu em 2009 com a música Sweet About Me, música de seu primeiro disco, Lessons To Be Learned.

Em 2010 por ideias, ordens ou o que seja, Gabriella gravava o álbum que, mais tarde, confessava que seria seu maior arrependimento na carreira, fazendo com que a australiana rompesse com a gravadora e a partir então gravasse novos discos de forma independente.

O primeiro (e por enquanto único) trabalho de forma independente é o nosso destaque aqui, e que você deve ouvir: The Sting. Repleto de influências na Soul Music, em um Pop mais tradicional e seu vocal perfeito, Gabriella deu um show com o disco. Pena que muitos ainda o desconheça…

Angel Haze – Dirty gold

A nova safra de boas rappers não se limita só a Nicki Minaj ou Azealia Banks (ou Iggy Azalea se preferir), prova disso é a ótima e ainda pouco conhecida Angel Haze.

Angel lançou o primeiro disco de forma independente em 2012, em seguida assinava um contrato com a Island Records, porém o que viria ser uma guinada na sua carreira, rendeu alguns problemas: com o disco finalizado e pronto pra ganhar vida, a gravadora passou a adiá-lo diversas vezes por falta de hits, história bem conhecida com outros personagens.

O disco era o ótimo Dirty Gold de 2013, que de tanto ser adiado, Haze decidiu jogá-lo na internet – pra nosso deleite. O álbum é ótimo, sem erros e criativo, da capa ao último verso da última faixa.

mary lambert – heart on my sleeve

Ao lado de Macklemore and Ryan LewisMary Lambert atingiu o sucesso e estrelato na canção Same Love, elogiada e bastante premiada – com razão!

Pegando carona no sucesso da parceria, Mary decidiu então lançar o disco Heart On My Sleeve, que infelizmente passou despercebido. Repleto de letras e melodias que te inspiram, te emponderam e toca diretamente no seu emocional, o disco merece um lugar de destaque em sua coleção de músicas.

eddie vedder – ukulele songs

Eddie Vader tem uma grande história e importância pra música a frente do Pearl Jam, nem precisamos citar nada por ser um grande nome de peso, e todos como amantes de música devem (ou deveriam) conhecer um pouco da trilha do cantor e banda.

Em 2007 iniciou paralelamente a banda, sua carreira solo, gravando toda a trilha do filme (que todos deveriam ver) Into The Wild (Na Natureza Selvagem, aqui no Brasil) adaptação do livro de  Jon Krakauer, dirigido por Sean Penn.

Em 2011 era lançado o disco Ukulele Songs, inspirado na música Folk americana com seu pé no Rock e utilizando apenas de duas ferramentas: sua melodia e um ukulele. É cru, criativo, único, diferente de muita coisa que já ouvimos nos últimos anos, vale muito a pena parar uma hora do dia, relaxar e apreciar a obra prima que é esse segundo disco de Eddie Vedder.

ashanti – braveheart

Ashanti, que recentemente entrou pro Guiness Book, como dona do single de estreia feminina mais vendido em uma única semana (503 000 cópias do single Foolish em sua semana de estreia) e é dona de alguns outros records na Billboard, viu sua carreira ir ao ponto mais alto em alguns meses e tempos depois, tudo acabar e sua popularidade quase sumir.

Depois de indas e vindas de gravadoras, ela assinava com a independente Written Records e, em 2014 lançava um de seus trabalhos mais robustos e coesos de sua carreira era lançado: Braveheart – depois de muito atraso e adiamento, diga-se.

Pra quem ama R&B o disco deve agradar em todos os sentidos e de todas as formas. Vemos aqui uma Ashanti madura, dona de si e de sua carreira, além de uma seleção de músicas com potencial único de serem hits.

emile haynie – we fall

Emile Haynie é ainda muito desconhecido do grande público, mas ele é um grande produtor musical, tendo inclusive ganho um Grammy pelo disco Recorvery do Eminem, produziu ainda os discos Born To Die da Lana Del Rey e o Unorthodox Jukebox do Bruno Mars.

Em 2014 Emile se aventurou lançando um disco totalmente produzido por ele e levando seu nome como o artista principal. O disco We Fall tem participações de Lana Del ReyNate RuessLykke Li e muitos outros, de estilos e gravações distintas.

Toda sua experiência em produções de outros artistas se reflete nesse seu disco, pois aqui há uma seleção única de faixas capaz de agradar o maior número de estilos possíveis. É variado e com as participações diversas ganha sobrevida, vale muito a pena se dedicar ao disco por um tempo e ouvi-lo na íntegra.