Nick Jonas polido em Last Year Was Complicated

Enquanto seu irmão Joe formou a banda genérica, porém animadinha, DNCE, e está por aí cantando sobre fazer sexo na praia comer bolo na praia, o segundo disco solo de Nick Jonas é bem pessoal. O rapaz escreveu a maioria das músicas aqui. A vulnerabilidade e emotividade das canções soam sinceras.

Sabe como é… artista solo pop que termina relacionamento e vai escrever sobre isso. Nada novo aqui. Um desavisado pode confundir seu som com Zayn! Mas Nick sabe o que lhe garante um lugar ao sol. Em The Difference ele declara “If you don’t feel the difference when you walk away […] I’ll show you the difference baby” (Se você não sentir a diferença ao andar adiante […] lhe mostrarei a diferença). A personalidade de Nick é mais sofisticada e elegante e menos “moço familiar que parece meu vizinho”. E é isso que é seu diferencial num mar de artistas masculinos pop solo e não sua voz nem seu som.

Voodoo, faixa que abre bem o disco, tem um refrão que é quase um ritual tribal, pra combinar bem com o título, bem pegajosa. Um dos pontos altos do disco. Na quase-psicodélica e aérea Champagne Problems, aparentemente uma apologia a bebedeira para esquecer os problemas é enaltecida e incentivada.

Os singles até agora estão sendo bem selecionados: Under YouClose, parceria com a maravilhosa Tove Lo, sensual e suave ao mesmo tempo, são também pontos fortes aqui.

As únicas que você pensa em pular por certo tédio são curiosamente as duas últimas faixas do disco: Unhinged Comfortable. Especialmente Unhinged. É uma baladinha quase gospel que apesar de mostrar uma certa versatilidade descasa com o restante do álbum. Mas já tá no final, então você deixa passar.

Um misto de pop e R&B polido predomina no disco. Não é uma obra pra lá de espetacular, nada novo foi criado. Mas dá pra deixar tocando por completo pelo menos uma vez!

Veredicto: 60/100

Faixas que você tem que ouvir senão estará perdendo tempo de vida: CloseVoodooUnder You.