Book: Kurt Cobain – A Construção do Mito

A música é algo muito engraçado. Quando ela entra nas nossas veias a gente quer consumi-la de maneira avassaladora. E isso aconteceu comigo ao ler o livro “Kurt Cobain – A Construção do Mito“, escrito pelo jornalista musical Charles R. Cross, o mesmo que alguns anos atrás escreveu o elogiado “Mais Pesado que o Céu”, uma das biografias mais completas sobre o astro do Nirvana.

Importante deixar claro que esse livro não fala especificamente sobre a vida do cantor, apesar de diversos momentos da sua curta permanência entre nós costure o enredo do texto fácil e fluído do autor. O objetivo é tratar sobre o legado e a relevância que Kurt ainda tem, não só na música, mas na moda e até mesmo no turismo das cidades de Seattle e Aberdeen, onde morou por aproximadamente vinte anos.

KurtCobainDifícil calcular o real impacto de um artista, no momento da sua morte. Muitas vezes os veículos e seus jornalistas estão carregados de emoção que podem inflar a realidade. Somente o tempo é capaz de mensurar o tamanho da influência e realmente compreender o seu legado. Kurt é um desses astros que realmente mudaram a cara de toda uma cena. Afinal, já se passaram vinte e dois anos de sua trágica morte e cá estamos falando dele e inúmeros textos, livros e homenagens continuam sendo feitas.

Charles R. Cross, o autor do livro, é um daqueles que a gente pode dizer que temos uma certa inveja. Ele conviveu com Kurt, escreveu inúmeras matérias a respeito do Nirvana e é um dos maiores conhecedores do assunto. Pode-se dizer que Charles foi uma testemunha ocular de todo o efeito Cobain. O autor tem o domínio total do assunto e coleciona citações de grandes publicações musicais que ajudaram a construir o mito Kurt Cobain. A revista Rolling Stone norte-americana declarou que Smells Like Teen Spirit, o maior hit da banda, conseguiu “apagar a vibração dos anos 1980 do mapa da cultura pop da noite para o dia”. Com isso a gente consegue imaginar o poder do Nirvana no início dos anos 90 e como seriam os dias seguintes.

Foi Kurt Cobain e o Nirvana que fizeram com que o grunge espalhasse sua mensagem de manifestação, de botar fora o que se pensa e sua aparência para o mundo. A moda foi intensamente influenciada pelo visual cru e sujo que a banda apresentava. Nomes como Marc Jacobs e American Apparel se apropriaram do “estilo”, muitas vezes de maneira inapropriada e extremamente comercial, indo completamente contra o que aquela juventude gostaria de aparentar. O valor individual era menosprezado e toda a popularização tornava o grunge numa moda rotulada e comercializada.
KurtCobainNa política Kurt investiu em diversos discursos importantes: o cantor falava sobre feminismo, fanatismo, racismo e intolerância. O homossexualismo era uma das suas grandes plataformas e seus discursos inflamados contra homofóbicos ganhavam cada vez mais força, fazendo do cantor um queridinho do público LGBT.

“Se algum de vocês, por qualquer motivo, detesta os homossexuais, as pessoas de outra cor ou as mulheres, por favor, nos faça uma gentileza: deixe-nos em paz. Não apareça nos nossos shows e não compre os nossos discos.” Kurt Cobain

Kurt era o vocalista mais franco do rock’n’roll.

Os dois últimos capítulos do livro trata do impacto do suicídio de Kurt diante dos seus fãs e seu envolvimento com drogas. Verdade seja dita: Kurt Cobain era um dos viciados mais famosos da música, e parte do seu sucesso, da sua fama vinha justamente desse comportamento rebelde e do seu vício. E mesmo que houvesse muita especulação sobre o impacto da sua morte, a relação com a heroína e como isso poderia aumentar os casos de jovens provocando sua própria morte, as estatísticas mostram completamente o contrário, felizmente. Especialistas afirmam que muita gente largou o vício das drogas em decorrência da morte de Kurt.

O suicídio trágico de Kurt Cobain expôs a grande fragilidade da sociedade em lidar com o assunto e com as políticas sociais de saúde pública que tratam a questão. O Estado natal de Kurt, Washignton, criou um Plano de Prevenção ao Suicídio no ano seguinte à morte do cantor.

“A música é o que há de mais importante em relação a Kurt; não a sua morte. Krist Novoselic

Indiscutivelmente Kurt foi e é o ídolo de uma geração. Como a citação da Revista Rolling Stone, na capa do livro, Kurt foi “o último grande ícone do rock de que se tem notícia”. E isso é fato. Ninguém conseguiu mudar tanto a cena rock’n’roll nos últimos vinte e cinco anos do que ele.

Se eu fosse você eu dava uma super chance para esse livro para entender melhor o efeito Cobain e como você também pode ter sido altamente influenciado por ele e nem deve fazer conta.

Veredicto: Ótimo

Tagged with: