Por Que Amamos a Mc Carol?

Ela surgiu na explosão da cena do funk carioca, mais precisamente em Niterói-RJ, falando o que viesse à sua cabeça, sem temores, sem receios. Atingiu o estrelato (e principalmente os nossos corações) quando participou de um reality show promovido pela Fox Brasil e com a apresentação da diva-mor Tati Quebra Barraco – que a tem como filha.

Por falar nesse programa, foi lá que conhecemos mais da vida em particular de MC Carol, seus dramas em casa, sua vida descompromissada, a forma que ela encarava a vida. Enquanto as outras participantes apenas estavam lá para o estrelato, em busca de se tornarem uma “nova Anitta“, Carol estava lá pra ser ela mesma.

E se você AINDA não a ama, damos 5 motivos para amá-la:

1 – Ela virou tema nas escolas

Há um ano ela jogava na rede uma nova música, Não Foi Cabral, que ao contrário do que mais se falavam no funk carioca, ela veio com uma proposta de nos fazer pensar. Politicada, decidida, pensativa e direta, ela questionava essa coisa de devermos nossa evolução aos portugueses e também colocava em pauta o que os índios (os verdadeiros descobridores de nossas terras) sofreram nas mãos dos “descobridores”.

Com uma abordagem simples e objetiva, chamou a atenção dos internautas e logo caiu nas graças de professores. Sim, em entrevista ao G1, na época, especialistas em educação afirmaram ser uma reflexão válida. Válida ainda seria a abordagem da mesma em salas de aula.

2 – Ela não abaixa a cabeça

É quase impensável e absolutamente inadmissível que ainda, em 2016 século 21, precisamos falar e conscientizar as pessoas a respeito do racismo. Esse ódio gratuito, absurdo e indesculpável é ainda presente na nossa sociedade e nem nomes conhecidos e famosos escapam.

Nossa amada também foi vítima desses lixos de pessoas. E você acha que ela abaixou a cabeça e se lamentou? Não. Ela foi lá, os enfrentou, os denunciou à polícia e ainda deu a volta por cima.

 

3 – Dispensa o rótulo de diva

“Não sou diva. Sou bandida! Pra mim, diva é a Beyoncé, a Nicki Minaj, a Rihanna, a Madonna. Não dou força pra isso. Acho ridículo”

MC Carol em entrevista ao portal O Dia. Precisamos comentar?

4 – Toma a coragem de falar o que as pessoas não querem ouvir

Em entrevista ao site Papel Pop, ao lado da também maravilhosa Karol Conka, Carol não titubeou ao falar sobre ser artista, musicista e relatar a violência policial em seu trabalho.

“É perigoso” ela respondeu, porém ela enfrenta o perigo e assim lançou sua crítica em forma de música. Ao divulgar a canção Delação Premiada ela diz na real, como é a vida de um morador da favela, critica a lava jato e principalmente a nossa mídia tendenciosa e manipuladora.

À Folha de S. Paulo, ao falar da música, ela foi mais direta: “É um funk proibidão, mas demos uma camuflada, porque eu não quero ser tachada como cantora de proibidão —quando os policiais pegam esses funkeiros, agridem, levam preso, às vezes matam.”

“Três dias de tortura numa sala cheia de rato
É assim que eles tratam o bandido favelado
Bandido rico e poderoso tem cela separada
Tratamento VIP e delação premiada.”

5 – Ela te questiona sobre padrões de beleza

A gente precisa se abster, esquecer e apagar de nossas mentes que ser gordo é ser feio e mais ainda, que “gordo” é ofensa. MC Carol é gorda. É gorda e maravilhosa. É gorda, maravilhosa e nós a amamos. E nós a amamos, além dos motivos já citados, porque principalmente, ela SE ama.

Garantimos que, sua fama recorrente e sua visibilidade tem não só ajudado a quebrar esses padrões de beleza como também auxiliado, um pouco que seja, mulheres e também homens a se amarem, a amarem suas curvas, seus corpos do jeito que são.

 

MC Carol: Como NÃO amar!?

Tagged with: