Melanie C e suas versões de si própria

Um dos lançamentos que mais aguardava em anos finalmente foi liberado nesta noite para os fãs de todo o mundo. O lançamento do sétimo disco solo da cantora inglesa Melanie C, pra sempre a eterna Sporty Spice, veio nos presentear com bom gosto, mais uma vez.

Version Of Me é o primeiro trabalho de inéditas lançado por Melanie em cinco anos. Há quatro anos a cantora lançava o Stages, um álbum de covers de clássicos do teatro.

O álbum chega num momento de muita duvida para os fãs das Spice Girls já que alguns meses atrás Melanie anunciou que não retornaria ao grupo para a atrasada comemoração dos vinte anos do lançamento do primeiro single e do primeiro disco. Na verdade ninguém mais sabe o que vai acontecer já que Geri Halliwell Horner anunciou sua gravidez dias atrás. Enfim… vamos ao álbum.

Melanie C

É muito difícil eu escrever sobre a Melanie. Tenho uma ligação de corpo e alma. É muito mais forte do que eu poderia explicar. Lógico que é difícil também ser imparcial nesse meu texto mas já vou lhe adiantando que nem tudo são flores. Não acho Version of Me seu melhor disco. Na escala dos sete discos que ela já lançou posso afirmar que ele está exatamente no meio do ranking.

Dear Life abre o disco e te traz um panorama real do que esperar do disco. Letras maduras, mas mostra que ela tá cheia de angústias e dúvidas e não sabe o que fazer da vida. Ela parece estar querendo exorcizar seus piores sentimentos e encontrar um caminho e superar o fim do seu relacionamento com Thomas, o qual ela já mencionou em diversas entrevistas como um dos piores momentos da sua vida. Potencial para ser uma das favoritas dos fãs.

Escalator, a segunda faixa de Version of Me, tem uma ótima produção. A voz da Melanie está maravilhosa. O arranjo da canção também é primoroso. A faixa traz elementos de música eletrônica, mas que poderiam ser facilmente retirados. Ela gosta de umas versões acústicas em seus shows. Essa seria uma boa.

Quando a gente chega na já conhecida Anymore a gente tem a certeza de que foi a faixa certa para lançar como lead single. Composta por Melanie e seu parceiro de longa data, o Adam Argyle e produzida pelos Sons of Sonix a canção deixa um gostinho de quero mais. E a gente queria mesmo. Adoraria que o disco tivesse mais canções que seguisse por esse caminho.

Something for the Fire, que deve ser o próximo single a ser trabalho do disco, me lembra algumas coisas do passado da carreira de Melanie. Meus amores, em carreira solo já são 18 anos! A faixa tem um tom misterioso e um arranjo grandioso. De alguma forma me recordo de Wonderland, b-side do disco Reason, ou mesmo uma versão, quase que um primo-pobre de Why, uma das favoritas do fãs do seu primeiro álbum Northern Star. Alguma coisa me pegou aqui.

Aí me vem um violino maravilhoso. Version of Me, faixa título do disco, traz a Melanie amargurada. Sua voz está mais dramatizada, tem uma dor dentro dela. Outra canção que me traz lembranças do passado. Teria alguma relação com You’ll get Yours, do Beautiful Intensions ou Enemy, do The Sea? Deve ter uns alucinados aí esperneando falando que não tem nenhuma relação. Talvez não tenha, mas eu sinto que elas se completam de alguma forma e me faz ter os mesmos sentimentos em quanto as ouço. Pra mim uma das melhores faixas do disco, de longe.

Numb foi um buzz single que a cantora lançou no meio do ano. Muita controvérsia depois, a música foi incluída no disco. Alguns fãs detestam. Eu realmente gosto da música. Acho ótima mas não entendi ainda ela estar no meio do álbum. Deveria ter entrado apenas como uma faixa bônus. Mas já que entrou só nos resta aceitar.

Aqui uma faixa que poderia ser trabalhada como single. Não é das melhores do disco mas Room For Love deve virar uma das queridinhas dos fãs. Além disso tem todo potencial para ganhar um remix incrível. A voz da Melanie está mais uma vez lindíssima e se isolar os vocais e trocar a harmonia da canção vai (PODE) ser hit das pistas SIM!

Aí o disco dá uma quebrada de novo. Vem uma mais agitadinha e aí a gente cai num piano. Um clássico para Melanie. Ela adora e ela sempre combina muito bem. Melanie é daquelas cantoras que tem uma voz que combina com vários estilos o que dá mais vontade de dar na cara dela e agradecer pelas obras primas que ela nos dá! Unravelling traz a Mel de novo despedaçada com o  término da relação. Um disco muito autobiográfico, muito pessoal e como ela mesmo diz, todo mundo tem várias versões de si, e aqui ela se expõe de forma crua. MelanieC

Loving You Better me deu medinho quando começou com o sax, mas eu acredito nela. De novo me lembra uma Mel antiga. E não estou falando mal disso. Eu simplesmente amo. A sonoridade de Loving You Better traz ano dos anos 90. Deliciosa para cantarolar. Our History, bom.. ok. Nada demais. Provavelmente a que menos gostei (mas vai que depois eu caia de amores). E, por fim, Blame. Adoro faixas com cara de experimentais dela e Blame é mais uma dessas. Mel canta quase que pausadamente e a música tem várias camadas. Já consigo vê-la no palco interpretando. Quero pra já!

Apesar de ser um misto de emoções, Version of Me não explora a fraqueza dela. Nem mesmo a ira. Melanie com o passar dos anos está mais contida. Não espere nada de Goin’ Down. Muito menos da fúria do disco Beautiful Intentions. Lá ela estava mais disposta a arriscar. Aqui seria um piso confortável para dar aos fãs o que eles mais esperam: sua voz e seu talento. A atmosfera do disco reflete o que ela está vivendo. Uma vida mais calma, mais em paz, deixando cada vez mais os problemas do passado lá para trás e superando o que tiver que ser superado! E a gente tá super feliz com isso também!

Version of Me é um disco que cada um vai se identificar. Todo mundo já se sentiu despedaçado com os problemas da vida e sem saber para onde seguir. Melanie C sempre vai ter a canção certa para o momento certo. Sério. Experimenta ouvir e prestar atenção nas letras. Elas podem ser acessadas no site oficial da cantora: www.melaniec.net

Ah… lá em cima eu falei que o disco tava no meio do meu ranking de discos da Melanie… o ranking: 1. Northern Star ; 2. Beautiful Intentions ; 3. The Sea ; Version of Me ; 5. Reason ; 6. This Time e 7. Stages.

Nota: 85/100

Nossos editores também contribuíram para essa review:

“Vivemos em uma época em que temos a sensação que é quase impossível não fazer música pop igual a todo mundo. São discos e mais disco, singles e mais single, todos na mesma ‘sintonia’ ou na chatice de sempre, em um português mais objetivo. Se não faz mais do que já estamos cansados de ouvir, alguns outros artistas mais veteranos investem naquele pop que estavam acostumados em seu início de carreira, outra coisa bem chata. Tudo isso pra dizer que Melanie C fez exatamente o contrário disso. O disco é pop, mas com algumas pegadas e ideias diferentes, ela mistura bem o que ela vivia na música pop quando começou ao que hoje é moderno por ser diferente. É o melhor disco pop do ano? Obviamente que não, mas é definitivamente um dos destaques do gênero em 2016. Ótimo disco Mel C!” por Evandro Melo

Tagged with: