Os todo-poderosos da música, de acordo com a Billboard

Nada de Adele, Beyoncé ou Lady Gaga. Não meus amigos, os verdadeiros poderosos da música não são os artistas, são os chefões que comandam o mercado à base da canetada. Pelo menos é o que a revista norte-americana Billboard anunciou nesta semana quando divulgou sua lista anual dos nomes mais importantes da música, a famosa #Power100.

O que surpreende na lista é que entre os dez primeiros colocados não há nenhuma mulher, mais uma vez confirmando a supremacia masculina nesse mercado cheio de vaidades e cifras milionárias.

O primeiro colocado é daqueles caras que é amado e odiado por muita gente ao mesmo tempo.  O sueco Daniel Ek, o CEO e co-fundador do Spotify, no auge dos seus 33 anos de idade está ditando muitas regras no mercado da música. O Spotify é disparado o maior serviço de streaming do mundo, detém 43% dos assinantes – aqueles que pagam a mensalidade – em todo o mundo! A empresa vale hoje incríveis 8 bilhões de dólares.

O cara é tão fodão que no casamento dele Bruno Mars foi a atração musical! A Billboard justifica a escolha de Daniel como o maior nome da indústria musical atualmente também pelo fato de considerar o Spotify como a única plataforma verdadeiramente importante e relevante no mercado atual como instrumento de promoção. O impacto dos streaming na cena está fazendo com que o mercado da música registre pela primeira vez em anos crescimento no faturamento. Os números são tão incríveis que dados ainda afirmam que até a venda de ingressos sobe quando os streamings vão bem.

Outros nomes poderosos da lista são o de Lucian Grainge, CEO da maior gravadora do mundo, a Universal Music. Ele inclusive era o número 1 da lista da Billboard #Power100 no ano passado. No terceiro lugar está o CEO da Live Nation, a maior produtora de eventos ao vivo do planeta, Michael Rapino.

Aparecem ainda no TOP 10 executivos da Apple Music, o CEO do Madison Square Garden Irving Azoff, Stephen Cooper, da Warner Music além de Rob Stringer, Martin Bandier e Doug Morris, executivos de empresas do grupo Sony Music.

Ah….A primeira mulher da lista aparece apenas na décima terceira posição, Michele Anthony, vice-presidente executiva do Grupo Universal Music.