Stormzy desafia o mercado tradicional da música

Todo mundo deve estar cansado de ouvir histórias e histórias de como o mercado da música pode ser ingrato, massacrante e demolidor. Sim, meus amigos. Imaginem só uma indústria que fatura alguns bilhões de dólares todos os anos e que detém de uma das maiores manifestações culturais já existentes e que tem o poder de influenciar milhões de pessoas mundo a fora. Pois é, as coisas devem ser bem quentes.

Tem até quem não tem medo de afrontar a máquina do sistema. Foi o caso do rapper Frank Ocean que, no mês passado, expurgou alguns demônios sobre a premiação mais importante da música, o Grammy. Suas palavras repercutiram no mundo todo. Mas será que ele teria todo peito do mundo pra falar poucas verdades aos grandões da música se ela não fosse um cara bem sucedido e que vende algumas centenas de milhares de álbuns, mesmo que de forma independente?

Outros nomes que estão dando o que falar é o inglês Stormzy. O cara acabou de lançar o seu primeiro disco e, nesta sexta, sai o desempenho do lançamento nos charts britânicos. Gangs Signs and Prayer tem conquistado a crítica e angariado fãs bastante empolgados como o grande nome do rap inglês Skepta e da multi-platinada Adele. E claro que temos que destacar a participação do rapper na performance do Ed Sheeran, no Brit Awards, deste ano!

Mas por que Stormzy tem causado? Simplesmente porque ele tem ditado as próprias regras. No ano passado, por exemplo, a Associação de Música Independente premiou o rapper por sua capacidade de inovação. A BBC ressaltou o trabalho do cara de forma espetacular: “Nenhum outro artista aperfeiçoou tanto o modelo do mercado da música atual de como fazer, promover, criar, produzir, sair em turnê e monetizar isso tudo nos últimos 24 meses”. 

Stormzy tem apenas 23 anos. Seu empresário Tobe Onwuka, 25. E eles desafiam à lógica: sem nenhuma experiência no mercado da música, eles têm conquistado cada vez mais espaço e respeito. Pra se ter ideia Stormzy recusou contratos grandiosos com três gravadoras importantes. Em entrevista ao site Music Business Worldwide, Tobe afirma que nenhuma gravadora ofereceu algo que fosse fora do alcance deles, então para que assinar com uma empresa que vai fazer o que eles mesmos podem fazer por si próprios?

O envolvimento de Stormzy com alguma grande label se dá apenas com a Warner, que cuida do contrato de ‘publishing’ das suas músicas. Um contrato de ‘publishing’ é aquele contrato que garante ao compositor os direitos legais pelas suas criações. O papel da Warner é de monitorar o uso das canções do rapper e garantir a ele o recebimento devido.

Todas as músicas de Stormzy são lançadas pelo seu próprio selo #Merky Records e há planos de lançar outros artistas pelo selo. Nenhuma decisão é tomada sem que o próprio Stormzy esteja de acordo, principalmente aquelas relacionadas com as áreas criativas e sua publicidade. Difícil acreditar que sobre tempo para tomar tantas decisões, mas é justamente por isso que o cantor está despontando e deve ser um dos grandes nomes da música neste ano!

Vamos ficar de olho!

Segue a gente no Instagram: @musicanosinspira

Tagged with: