1 ano depois: Biel e a polêmica do assédio

Já faz quase um ano de um dos episódios mais vexatórios da música pop no Brasil. Em junho de 2016 o cantor Biel se envolveria na polêmica com a jornalista Giulia Pereira que o denunciou por assédio diante de inúmeras frases infelizes e medíocres. Giulia fez mais do que certo ao denunciar, pois o assunto sobre assédio contra mulheres ganhou espaço e foi discutido amplamente na internet entre jovens e adultos.

Naquele momento, querendo ou não, Biel era um dos grande nomes do pop nacional. Tinha acabado de lançar o primeiro álbum, tinha uma agenda invejada, um cachê por apresentação em crescimento, frequentava todos os programas importantes da TV, tinha suas músicas tocadas incansavelmente pelas principais rádios do país e até em trilha sonora de novela na Rede Globo. Nada parecia atrapalhar sua ascensão, mas ele foi pego pela própria boca.

Claro que as acusações em cima da garota e as ofensas contra ela foram gigantescas nas redes sociais, um triste pensamento retrogrado de sempre minimizar e jogar a culpa para a vítima. Mas ninguém além dele próprio foi o responsável pelo fracasso que sua carreira acabou virando. Postagens antigas também, em suas redes sociais, ganharam vida e mostraram que sua vida sempre foi baseada em comentários infelizes, preconceituosos e, principalmente, desrespeitosos.

No Instagram e Snapchat, o cantor continuou esbanjando seu estilo de vida nada modesto, desde a polêmica no ano passado. Parte da sua agenda de shows foi mantida, mas hoje – vivendo nos Estados Unidos – Biel nada mais tem a oferecer, se é que teve em algum momento.  O cantor ensaiou um relançamento da sua carreira, na TV, no início do ano mas sua participação no programa do Raul Gil, foi desprezada e não ganhou nenhuma atenção. Há praticamente um ano não se ouve uma música sua se quer, em lugar algum.

Incrivelmente Biel ainda acumula mais de 7 milhões de seguidores somente no Instagram, muitos dos quais jovens, garotas que o defenderam cegamente. Nada melhor do que a palavra ‘estúpidas’ para descrevê-las. A gente só espera que quem o defendeu não chegue a passar perto de uma situação de assédio para que não precisem experimentar na própria pele.

O caso do Biel me lembra em diversos aspectos o triste episódio entre Rihanna e Chris Brown alguns anos atrás. A cantora foi agredida fisicamente e Chris Brown sofreu com as restrições judiciais, com prisão e com uma imensa despencada na carreira. Retomou sua vida musical, ganhou prêmios, vendeu alguns milhares de discos e singles, mas nunca mais ganhou a repercussão que tinha antes de toda confusão. Mas no mundo do rap, do hip-hop essa realidade parece bastante comum, o que fez com que de alguma forma Chris Brown tivesse essa sobrevida na carreira.

Mas voltando ao Biel, a provocação aqui é: ele realmente se arrependeu do que fez? o que ele fez para se redimir? Participou de alguma campanha contra o assédio contra as mulheres, por exemplo? Participou de debates e discussões sobre o assunto? E, de outro lado, até quando seria justo ele sofrer com as sanções e restrições na carreira por conta desse episódio? O que seria uma punição, de fato, eficaz? Pensar, antes de falar, ajuda.

E para as meninas: NÃO SE CALEM! DIANTE DE ASSÉDIO OU DIANTE DE QUALQUER OUTRA COISA! FALEM, GRITEM! FAÇAM SUAS VOZES SEREM OUVIDAS!


 

Apenas uma última consideração. Quando Biel lançou o disco, no ano passado, nós escrevemos uma review e eu mesmo fiz inúmeros elogios ao cantor. Não tinha dúvida alguma de que o empenho e uma boa produção/assessoria estavam tornando o cara num grande fenômeno. Mas ninguém além dele mesmo foi capaz de transformar sua carreira numa verdadeira tempestade. Enfatizo: pensar, antes de falar.

Tagged with: