Katy Perry lança disco que devemos esquecer logo

A gente esperou! E esperou muito! Mas finalmente Witness nasceu. O quinto álbum da carreira de Katy Perry chegou ao mercado nesta sexta-feira (09) depois de três anos e meio de espera, desde que o antecessor Prism foi lançado em outubro de 2013.

Confesso que tinha grandes expectativas com o disco mas, do que já havia sido divulgado, somente o lead single Chained to the Rhythm me chamou a atenção. Sua visão politizada trouxe um posicionamento importante para a cena. Diante de um cenário cada vez mais medíocre da política mundial, Katy foi lá e deu a cara à tapa. Expressou-se abertamente e de forma muito direta contra a política separatista e protecionista do atual presidente norte-americano. Esse mérito a gente jamais pode tirar dela. Que sirva de exemplo para muitas divas pop também aprenderem a se posicionar!

Há uma música do disco que define o que é o Witness: Déjà Vú. Sabe quando você ouve algo e parece que você já ouviu aquilo tudo e nada soa como novidade? Pois bem, é o que é o Witness. Não é um álbum que traz novidades. Uma das críticas que o álbum recebeu, a do jornal inglês The Independent, fala justamente sobre isso. “O eletro pop do álbum não é nada diferente daquilo que a gente já tem por aí“. É isso mesmo.

Witness é um disco que não dá para ser imparcial. Ou você gosta ou não. Se espera ouvir algo que te remeta aos lançamentos pop da cantora em Prism ou ainda no grandioso Teenage Dream pode parar por aqui e esquecer. Depois de ouvir Witness completo você consegue entender o porquê de Katy Perry ter escolhido faixas como Bon Appétit e Swish Swish como singles: não há singles melhores.

Você quer hits? Você quer mãozinha pra cima? Você quer as pessoas cantarolando loucamente? Witness não é um disco de hits. Milagres acontecem? Acontecem e pode ser que um raio divino faça algo pelo álbum, porque se depender exclusivamente das canções aqui teremos uma era que se encerrará bem antes do imaginado e a gente espera que ela já esteja em estúdio preparando novo material para esqueceremos o que acabamos de ser “testemunhas”, fazendo referência direta ao nome do álbum.

O Portal AllMusic classificou o disco da seguinte forma; “Witness é cheio de faixas não radiofônicas que parecem ter sido feitas para tocar como trilha sonora de uma noite que queremos esquecer, cheia de arrependimentos“.

E o que falar da capa do álbum? Essa imagem, tampando os olhos, traduz nosso momento ouvindo o álbum. Não queremos ver! Mas você sabe né? Opinião é algo que cada um tem a sua e OBRIGADO MUNDO por isso! Ouça o Witness e conte para gente o que achou:

Katy Perry, meu bem! A gente acredita em você! Força e foco!

Tagged with: