Precisamos falar sobre a saúde mental de nossos ídolos

Um assunto delicado. Mas não é porque é delicado que precisa ser um tabu, melhor ainda que deixe de vez de ser. Todos nós conhecemos, no mínimo, uma pessoa que passa por problemas em sua saúde mental, por algum distúrbio – isso quando não são nós mesmos os portadores dessas doenças. Digo isso só para ilustrar o quanto qualquer um desses problemas está se tornando cada vez mais comum e cada vez pior.

O ponto é: por mais comum, por mais reconhecidos como doenças, distúrbios ou transtornos mentais como ansiedade, depressão, bulimia ainda carregam estigmas, preconceitos e expõe a ignorância de muitos.

Mas agora imagine você, uma pessoa que está sempre sendo exposta na mídia, seja fazendo algo banal como namorar ou sair em encontros casuais ou mesmo algo “polêmico”, começa a apresentar sintomas relativos a qualquer transtorno mental – há de se salientar, por não apresentar nada físico, ou seja, nenhuma sintoma realmente aparente, transtornos mentais são doenças silenciosas, você consegue viver anos sem que ninguém possa descobrir.

Agora se coloque no lugar dessas pessoas. Imagine que tudo, TU-DO, que você faça seja julgado, analisado, imitado e, principalmente, polêmico. Imagine a pressão do que tudo que você ouse a fazer exerça na sua saúde física e acima de tudo, mental. Já imaginou? Já se pôs nesse aspecto?

Pois é, nós meros anônimos, mal conseguimos pensar em algo relativamente útil e necessário se colocando neste lugar, como uma arte de um museu, e como tal, deve se manter intacta e perfeita. Mas como humanos, somos todos imperfeitos, tão imperfeitos que na hora de julgar, analisar, imitar e apontar se tal coisa é polêmica ou não, nos esquecemos de nos por no lugar deles e isso é muito triste.

A gente precisa cuidar disso, precisa cuidar do que diz a respeito dos outros, assim como daqueles que tanto são expostos e julgados gratuitamente, precisa cuidar de nós mesmos, para que assim possamos cuidar mais um dos outros.

Vamos lá, esse meio já é muito competitivo, estressante para todos eles, porque nós, o público, os consumidores de suas artes, temos que ser tão grosseiros? Deixemos eles em paz, vamos valorizar o que cada um tem de melhor e se não encontrarmos isso, apenas esqueçamos.

Casos como o de Chris Cornell e Chester Bennington que não suportaram mais, casos como o de Demi Lovato e Selena Gomez que aos poucos vão dando sinais de decaída em suas canções ou atitudes, mas voltam pra ensinar que é possível seguir em frente, só nos ilustram como a gente precisa dar mais atenção aos nossos ídolos, precisamos nos atentar a cada sinal, cada canção.

Na semana que a depressão levou mais um de nossos ídolos a encerrar sua jornada aqui mesmo, que tenhamos mais zelo por todos os outros, cuidemos melhor um dos outros, inspirando uns aos outros, por favor.

Leia também: A depressão e a música