Ouça o coração de Johnny Hooker

Lançar um primeiro disco é muito difícil, compor, produzir, gravar, divulgar, trabalhar, é complicado e nós sabemos, chegar a um segundo disco é ainda mais difícil, mas Johnny Hooker nos mostrou esse fim de semana que, além de saber o que faz desde seu primeiro disco, sabe muitíssimo bem como contornar qualquer empecilho. É sentimento de força, determinação, amor, raiva e felicidade que permeia por todo o novo disco de Hooker, Coração.

Sabe quando você sente que um disco é a demonstração explícita do que sente um artista? Assim é Coração!

Johnny Hooker agora se liberta, se experimenta muito mais e ousa mais ainda, em Coração ele passeia pelo samba com maestria, utiliza de elementos do techno-brega e do brega em sua essência (afinal Johnny é pernambucano, conterrâneo de Reginaldo Rossi), cria novos sons e novos arranjos.

Um ponto que deve ser ressaltado em Johnny Hooker é a forma como ele sabe usar as várias facetas de sua voz, fazer dela sua arma, seu ingrediente único e especial, unindo isso a arranjos e ritmos que lhe caem bem. A voz de Hooker é uma camaleoa que se adapta a suas faixas, talvez seja nela o grande trunfo de seu novo disco, é nela cheia de nuances, sem medo de variar, que se esconde o coração de Hooker. Faixas como Touro, Eu Não Sou Seu Lixo e Página Virada são as ilustrações disso.

Outro grande trunfo de Coração: suas parcerias. Liniker Gaby Amarantos se encaixam como uma luva perfeita no disco, canções como Flutua Corpo Fechado são candidatas a grandes hits, são fáceis de gravar e dizem exatamente aquilo que nós já pensamos ou já passamos – ou ainda vivemos.

Coração é isso, é sentimento, é profundo, é forte, é acima de tudo, um disco e tanto, Johnny Hooker nos entrega uma verdadeira obra prima e nos encanta demais.

Destaques: Touro, Eu Não Sou Seu Lixo, Corpo Fechado, Flutua, Poeira de Estrelas e claro, Caetano Veloso, canção em homenagem ao cantor baiano, uma verdadeira joia de nossa música brasileira.

Ouçam, porque isso tá lindo demais!