Se o Brasil tem uma musa inspiradora, seu nome é Fafá de Belém!

Quando a gente pensa em Fafá de Belém, a primeira coisa que vem à nossa cabeça é seu riso mais que gostoso. Riso de vida, riso de vontade de viver. A Fafá é inspiradora!

 

A musa de voz afinada e com uma presença hecatombe nos provou em décadas de carreira que tem tudo para ser considerada uma das maiores divas da música brasileira.

Seu reconhecimento nacional veio em 1975, quando a faixa Filho da Bahia, cantada por ela, entrou na trilha sonora da novela Gabriela. A música, junto a novela, se tornou um hit nacional. E a carreira de Fafá de Belém deslanchava…

 

De lá pra cá, foram vinte discos gravados e várias participações em filmes, novelas, programas de TV, peças de teatro, prêmios e homenagens. Fafá é um sucesso!

E tanto sucesso a fez estourar não só no Brasil, como fora também. Ela é aclamada especialmente em Portugal, onde tem um público vasto, que a tem como um ícone que melhor representa a música brasileira. Não é à toa que eles a chamam de “cantora brasileira mais portuguesa do Brasil”.

 

E engana-se quem pensa que ao sorrir ela somente nos passa essa sensação de que a vida é boa em todos os sentidos, Fafá é uma pessoa como qualquer outra, e encara seus problemas pessoais diários e rotineiros, com certeza. Seu lado mais sério é demonstrado ao encarar sua profissão com tanta seriedade e maturidade. Segura de si, ela é um mulherão da porra!

Na década de 80, Fafá de Belém foi uma das artistas que estiveram à frente do movimento Diretas Já, no qual as pessoas clamavam pela redemocratização do país, e foi, mais uma vez, ovacionada pelo público presente.

 

A cantora foi influenciada por um conjunto de cantores consagrados na música brasileira como Maysa, Roberto Carlos, Cauby Peixoto e vários outros. E hoje ela serve de inspiração para tantos outros artistas, especialmente para sua filha, Mariana Belém que também seguiu a carreira musical.

 

E a Fafá de Belém sempre esteve à frente de seu tempo. Nunca se calou, nunca se deixou inibir e muito menos se rebaixou diante de qualquer exigência da sociedade. E por conta disso, foi criticada, assediada e até malvista, mas não desistiu de ser quem é. A Fafá que a gente vê hoje, aos 60 anos, tem o mesmo espírito jovem que tinha a de 20.

E em entrevista à revista TPM, Fafá soltou o verbo:

 “Nunca tive tempo, nem paciência, pra ter crise com idade. Nem aos 30, nem aos 50, quanto mais agora. Quer saber por quê? Ninguém vai dizer o que devo ou não fazer por causa da idade. Não permito. Esses dias uma amiga falou: “Não deixe que te chamem de avó”. Por favor! Eu sou avó graças a Deus! A juventude está dentro de mim. Preciso falar pras mulheres que têm 60 anos que é bacana chegar até aqui. Quero ser essa porta-voz. Meu público é a mulher. É com ela que sofro, é com ela que canto. Quando canto “Abandonada por você…”, são milhares de mulheres – e gays! – cantando junto. Eu não sou uma estrela, não sou uma diva, sou a mulher comum. Rumo aos 70! A vida é o que a gente faz dela. ”

Aprendemos com ela e vamos continuar aprendendo, porque haja inspiração! Te amamos, Fafá de Belém!

 

Tagged with: