Sampha leva pra casa o Mercury Prize 2017!

Rolou na noite desta quinta-feira (14), em Londres, mais uma edição do importante Mercury Prize. A premiação anual elegeu o disco Process, do cantor Sampha, como o melhor disco desta edição.

O cantor londrino Sampha, de 28 anos, lançou o seu primeiro disco da carreira no início deste ano e já faturou um dos prêmios mais relevantes da indústria musical.

 

Sampha era um dos favoritos ao prêmio, junto com a poeta e rapper Kate Tempest e seu aclamado álbum Let Them Eat Chaos. Mas os outros concorrentes também disputavam fortemente ao troféu entre eles o The XX, que já faturou em anos anteriores, e também Stormzy e Ed Sheeran. Apesar do imenso sucesso comercial de Ed e seu mais recente álbum Divide, os jurados tendem a premiar artistas menos favorecidos justamente para impulsionar a carreira de novos talentos. Mais do que justo.

A premiação foi realizada no Eventim Appollo, em Hammersmith, em Londres e teve a performance de quase todos os indicados ao prêmio deste ano, além de trazer também a apresentação do vencedor da edição passada, o rapper/grimmer Skepta.

Se liga na playlist das performances de ontem a noite:

 

TODO MUNDO GANHA

Capa do álbum Process, do Sampha, vencedor do Mercury Prize 2017Não é só Sampha que sai como vitorioso do Mercury Prize 2017. Os outros 11 indicados ao prêmio também devem estar com sorrisos largos em suas faces. De acordo com o site Official Charts o número das vendagens de todos os álbuns indicados cresceram nas últimas semanas, desde que foram anunciados os nomes finalistas.

A banda Dinosaur foi a que mais impactada quando a gente se refere a porcentagem. O crescimento nas vendagens do seu disco Together As One foi de quase 40% nestas últimas semanas. Outro nome de destaque foi o rapper J Hus com aumento de 29% nas vendas do seu Common Sense. Em números reais a venda que mais subiu foi a do Ed Sheeran que vendeu quase 100 mil discos a mais, do Divide, neste período, porém, em porcentagem, o número representa um acréscimo de apenas 4%.

Dá uma olhada na tabela oficial revelada:

 

O MercurY Prize

A premiação do Mercury Prize, que rola desde 1992, tem por objetivo promover o que há de melhor na música produzida tanto no Reino Unido quanto na Irlanda. Anualmente doze álbuns lançados, dentro do período eletivo, são selecionados e disputam o prêmio de Melhor Disco do Ano. Neste ano de 2017, o período eletivo valeu para os discos lançados entre o período de 30 de julho de 2016 até o dia 21 de julho deste ano. Foram 220 inscritos.

Kate Tempest em sua performance no Mercury Prize 2017
Kate Tempest em sua performance no Mercury Prize 2017 – Foto: Divulgação Mercury Prize

O vencedor e os indicados são definidos por um painel de jurados criteriosamente escolhidos pela organização do evento. Eles ouvem uma série de discos lançados dentro do período eletivo e se reunem para definirem os doze indicados. O vencedor só é definido no dia da própria premiação, fazendo assim com que o suspense seja mantido até o último minuto. Vale ressaltar que os jurados não tem nenhum envolvimento comercial com os álbuns que concorrem a disputa naquele ano, aumentando a credibilidade e a seriedade desta que é uma das premiações mais respeitadas do mundo da música. No site do evento é possível conferir quem foram os jurados da edição deste ano.

Pra se ter uma ideia do que o Mercury Prize representa, ele é equivalente ao Booker Prize, premiação máxima da literatura, e ao Turner Prize, do mundo das artes. Ser declarado o vencedor garante um status quase que incalculável ao álbum campeão. O legal da história é que eles também tem o cuidado de promover discos, muitas vezes, que correm fora do mainstream abrindo, assim, novos horizontes aos indicados.

Ah! O campeão do ano também recebe um cheque generoso de 25 mil libras, algo em torno de 110 mil reais.