Sam Fender: o jovem que levou o Critic’s Choice Award 2019!

Sam Fender Critics Choice Brits

Sam Fender é daqueles que fazem música com propósito, que provoca reflexões. Para quem acompanha o Música Inspira não é de se estranhar que a gente fale mais uma vez sobre um cantor loiro e inglês. Eles emitem algum tipo de vibração que cativa este editor. Claro que estamos falando de talento, afinal o que mais Tom Odell, Rhodes, Ben Howard, Lewis Capaldi e Martin Luke Brown – apenas algumas exemplos – poderiam ter em comum?

Certamente será um ano e tanto para o cantor. Vencedor do Critic’s Choice do Brits 2019, prêmio que reconhece talentos que devem despontar na música britânica, ele já havia figurado a lista de 2018 dos 15 nomes potenciais feita anualmente pela BBC, mas agora a coisa é diferente. Ganhar um Brit Award projeta sua carreira em escala global. Nomes como Adele e Ellie Goulding, por exemplo, são alguns dos exemplos de como sua vida pode ganhar um empurrãozinho.

Sam FenderO cantor de 22 anos, nasceu no condado de North Shields, no norte da Inglaterra, mas vive na cidade de Newcastle. Seu inicio na carreira musical aconteceu quando ainda tinha 16 anos e começou a tocar violão. Foi trabalhando numa taverna, onde também se apresentava, que a sorte bateu sua porta. Foi numa dessas apresentações, ainda com 18 anos, que Owain Davies – empresário do Ben Howard – curtiu o que viu e decidiu investir no rapaz. E seguem juntos até hoje. O próprio Sam reconhece a sorte que teve, afinal agentes costumam se concentrar nos principais centros urbanos como Londres, Manchester ou Liverpool.

Quando se apresentava ao vivo, no início da carreira, investia em covers de rock dos anos 70 sem suas apresentações. A aproximação com material das antigas se deve ao fato de ter crescido num ambiente bastante musical. Seu pai toca piano, guitarra e canta. 

Se você curte música com energia, indie rock que flerta até com garage rock – numa versão mais refinada – tenho certeza que vai curtir as faixas que estão disponíveis nas lojas virtuais e serviços de streaming. Por aqui estão no repeat já faz algum tempo. Sugestão: Play God. 

Em suas músicas, Sam fala sobre o pensamento arcaico de grande parte dos homens que mantem a ideia de serem superiores, melhores do que os outros, demonstrando o quanto a masculinidade excessiva pode ser tóxica. Provocações sobre o que realmente faz sentido para a geração atual e consciência social e política também são temas explorados por faixas como Poundshop Kardashians – uma crítica à superficialidade que gira em torno da família Kardashian.

Reflexões sobre a vida, mas sem enrolação são inspirações que Sam extraiu do seu ídolo maior: Bruce Springsteen. O cantor admira quem conta boas histórias através da música. Sua admiração por Springsteen é tanta que Fender confessa chorar toda vez que vê um show da sua maior referência. Certamente, algumas lágrimas também vão cair por ti, Sam Fender!

Jeff Buckley é outro nome que Sam Fender sempre menciona entre seus favoritos. Em entrevista ao site “The Last Magazine”, Sam confidenciou que tem ouvido Kendrick Lamar, Arcade Fire e Arctic Monkeys, banda a qual Sam afirma que “não tem como não gostar do Alex Turner (vocalista)”. Te entendemos perfeitamente.

O álbum de estreia de Sam Fender deve ser lançado neste primeiro semestre. O boom depois do anúncio do prêmio do Brits ajuda a tornar esse sonho em realidade o quanto antes. O lançamento será feito pela Polydor, com quem o cantor fechou contrato depois de uma intensa disputa entre gravadoras que foi noticiado na imprensa inglesa.

Agora é aguardar pra ver.

DEAD BOYS, o EP DE SAM FENDER

Sam Fender lançou em novembro passado o seu EP Dead Boys. Entre as faixas que compõem o material a faixa título certamente é aquela que chama mais atenção. Essencialmente Dead Boys fala sobre saúde mental e suicídio, especificamente em sua cidade natal.

Quando confrontado sobre falar de um tema com uma certa carga, Sam é enfático ao responder que não tem objetivo algum em capitalizar com a desgraça alheia. Trazer o assunto à tona tem um motivo pessoal. Sam experienciou a morte de alguns conhecidos justamente por suicídio alguns anos atrás.Tendo vivido tal realidade tão de perto, somado ao fato de o governo parecer ignorar as taxas de morte por suicídio de homens fez com que o cantor colocasse alguma luz sobre o tema.

Falar de suicídio é, de fato, extremamente relevante. Na Inglaterra, terra de Sam, os números indicam que 84 homens, em média, se matam semanalmente. A taxa é superior ao número de mulheres que tiram suas próprias vidas.

Sam faz da música um instrumento para tocar em temas fortes e que merecem atenção. E faz muito bem.

Curtiu? Conta pra gente o que achou do som do Sam Fender!

Tagged with: