Rosalía: a jovem espanhola que está conquistando o mundo

Enquanto a gente assiste uma onda de “Maria vai com as outras” na indústria da música, onde cada vez mais os artistas tem medo de se arriscar e acabam soando uns iguais aos outros, um refresco vem lá da região da Catalunha, na Espanha, e atende pelo nome de Rosalía.

A cantora e também compositora, de 25 anos, vem chamando atenção pela sua releitura do flamenco, ritmo tradicional espanhol que teve origem no século 18, na região da Andaluzia. Mas se você estiver esperando aqueles trajes clássicos do flamenco – uma grande saia vermelha, por exemplo – pode esquecer. Neste ponto, a cantora segue um visual que é facilmente visto e copiado por aí. Mas o que rouba a cena é sua forte presença e reinterpretação do ícone da cultura espanhola.

Sobre o resgate da cultura do flamenco, em entrevista para o New York Times, Rosalía diz que “tudo está no flamenco… espiritualidade, lealdade, humildade e valores. É verdadeiro e poderoso…. Cresci inspirada por todas essas emoções, e por todas essas cores muito expressivas”.

A BBC anunciou em dezembro que Rosalía é uma das 12 artistas/bandas que temos que prestar atenção em 2019, fazendo dela a primeira artista espanhola da história a entrar na concorrida lista.  Quando o resultado dos cinco melhores posicionados foi anunciado, na semana passada, Rosalía conquistou o quinto lugar da disputada lista. Já o jornal norte-americano New York Times nomeou o disco mais recente cantora, El Mal Querer, como o sexto melhor lançamento de 2018! O álbum chegou a atingir o número 1 da parada da Billboard Latin Pop, nos Estados Unidos.

Rosalía na Vogue Espanha. Photo: Camila Falquez
Rosalía na Vogue Espanha. Foto: Camila Falquez

Rosalía já é um acontecimento na música espanhola e tende a ser uma estrela global. A sua influência entre os mais jovens tem feito com que muita gente se interesse pela cultura do país e também pelas raízes. Muitos jovens espanhóis estão resgatando o flamenco e se tornando muito orgulhosos do histórico musical que tem.

Foi numa excursão com os amigos, no início da adolescência, que começou o seu amor pela música flamenca, além de perceber que o estilo não é um gênero muito comercial. Entre suas influências estão Camarón de la Isla, famoso músico de flamenco dos anos 70.

Aos 13 começou a fazer aulas de dança. Anos depois se matriculou na Escola Superior de Música da Catalunha para estudar flamenco. Se formou em 2017 e lançou seu primeiro EP, Los Angeles. Ela queria experimentar coisas novas, mais do que seguir a onda do flamenco que já havia sido amplamente explorada. Claro que tamanha inovação e ousadia não cairia bem aos tradicionalistas que criticam o trabalho de Rosalía, mas enquanto eles reclamam, ela conquista cada vez mais audiência e seus shows tem se tornado cada vez maiores.

Uma destas amostras aconteceu no final de outubro passado, quando Rosalía apresentou o seu novo álbum, em parceria com a gigante Red Bull, em evento aberto na famosa Plaza de Colón, em Madrid e fez com que mais de 11 mil pessoas acompanhassem atentamente suas canções e sua interpretação. Dá uma olhada e ouve só o coro junto com Rosalía. Certamente uma estrela.

Alguém aí duvida que vamos ouvir falar muito de Rosalía?

BREVE HISTÓRIA DO FLAMENCO

Uma palavra para descrever o flamenco: emoção. O tradicional estilo musical espanhol é reconhecido justamente por não se conter na demonstração mais fiel das emoções sentidas pelo ser humano. O flamenco é apaixonado e sofrido.

Porém, há muita incerteza e especulação sobre a origem do flamenco. Há indícios de que as raízes do gênero foram levadas da Índia para a Europa no século XVI, chegando então na região da Andaluzia, na Espanha. A cidade tem hoje quatro grandes centros culturais e museus voltados exclusivamente ao tema.

Rosalía - Flamenco Roots

O orgulho pelo flamenco foi reconhecido pela UNESCO, em 2010, quando declarou o gênero como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade.

Se engana quem considera o flamenco um estilo de dor de cotovelo. O estilo surgiu como uma forma de representação das dores, dos sonhos e das injustiças sofridas pelas classes sociais mais baixas, principalmente a angústia do povo cigano, largamente vítima de preconceito.

Uma das principais referências para Rosalía é o músico Camaron de la Isla. Suas obras são consideradas, até hoje, umas das mais essenciais para conhecer e admirar o flamenco.

Sabiamente, Rosalía está fazendo um bem enorme para sua cultura. Colocar um holofote sobre ela, é garantir que a tradição, mesmo que com uma nova roupagem, seja ainda mais reverenciada e admirada.

A MÚSICA LATINA NO MUNDO

Não é de hoje que a música latina tem o seu espaço nos grandes mercados internacionais, principalmente no dos Estados Unidos. Certamente tal acontecimento se dá pela imensa quantidade de imigrantes latinos que vivem por lá.

Ao longo dos anos podemos citar os grandes êxitos de nomes como Gloria Estefan, Enrique Iglesias, Juanes, Paulina Rubio e Ricky Martin. E mais recentemente ainda a expansão global de Maluma, J. Balvin e da boyband CNCO.

E o que foi a onda Despacito, de Luis Fonsi? O videoclipe ainda é o mais visto da história, no Youtube, com a incrível marca de quase 6 BILHÕES de visualizações (até a data de publicação deste texto). Shakira é outra que a gente não consegue nem contabilizar a quantidade de recordes que bateu e fez com que a música latina alcançassem patamares nunca vistos antes.  Ela acumula mais de 70 milhões de discos vendidos, sendo quase metade apenas no mercado norte-americano!

Seja o reggaeton, os boleros, o pop, o rock… agora o flamenco repaginado… a música latina sempre vai ter seu lugar no mundo. Não dá para ignorar a cultura imensa que esses países tem a oferecer. Um refresco para intoxicação da cultura norte-americana a qual somos bombardeados constantemente. Abrir a cabeça faz bem.