TXT: a nova e incrível boyband do K-POP

TXT BOYBAND K-POP

Com pouco mais de um mês desde que todos os integrantes do TXT foram revelados (um teaser semanal anunciava um a um nas redes sociais), a nova boyband do k-pop já conquistou milhões de visualizações no Youtube, outros milhões em execuções no serviços de streaming e quebraram recordes inesperados para iniciantes de carreira. Senhoras e senhores, uma nova invasão oriental acaba de chegar.

Criados pela Big Hit, uma das maiores empresas de entretenimento da Coreia do Sul, o quinteto TXT, uma abreviação de Tomorrow X Together, chega ao mercado para surfar na onda bem explorada pelo BTS. O k-pop nunca foi tão pop como agora.

Com idade média de 17 anos, os meninos do TXT estão no olho do furacão. O planejamento para a formação da boyband começou há mais de dois anos, mas somente no mês passado que o rosto dos integrantes foram revelados e faz menos de um mês que o primeiro single e mini álbum foram lançados.

Soobin, Yeonjun, Beomgyu, Taehyun and Huening Kai, os cinco integrantes do TXT, chegam no melhor momento para o k-pop. E por terem sido criados justamente pela mesma empresa que fundou o BTS, boa parte do caminho já está pavimentado e testado.

Os já veteranos do BTS estão prestes a lançar mais um álbum e a rodar o mundo na sua maior turnê que desembarca para duas noites no estádio Allianz Parque, em São Paulo, em maio. Havia muito tempo que não se tinha registro de filas tão longas que se formaram para a compra de ingressos de um show. As expectativas devem ter surpreendido positivamente a banda e os produtores já que os ingressos se esgotaram em questão de minutos.

O PRIMEIRO ÁLBUM DO TXT

The Dream Chapter: Star é o primeiro mini álbum (formato comum entre os artistas do k-pop) da boyband TXT. O material traz cinco faixas e vale destacar que  todos os títulos das músicas estão em inglês, demonstrando real interesse em desbravar esse mundão.

TXT MINI ALBUM K POPPor falar em mercado estrangeiro, as letras do TXT seguem a fórmula já explorada por diversos artistas sul-coreanos que combinam frases em inglês e no seu idioma nativo.

Com idades entre 16 e 19 anos, dá para notar que – mesmo que não falemos coreano – as letras são jovens, ainda imaturas, mas que tem aquele objetivo de grudar na cabeça e arrebatar o coração de quem ouve. A figura deles, seja a presença, as roupas, a paleta de cores escolhida para trabalhar os materiais do TXT, passam essa percepção de jovialidade, de inocência, de descoberta da vida. Um frescor para quem acha que o BTS (os integrantes tem em média 23 anos de idade) já tá batido ou adultos demais.

O primeiro mini álbum do TXT foi muito bem recebido pelos fãs e quebrou alguns recordes, inimaginados para artistas sul-coreanos numa fase tão precoce da carreira. The Dream Chapter: Star se tornou o primeiro debut de k-pop a estrear no posto mais alto do iTunes, nos Estados Unidos, e em outros quarenta países. O clipe de Crown, lançado no início do mês, tem a marca de clipe de k-pop mais curtido nas primeiras 24 horas, com mais de 2 milhões de likes!

Será que alguém ainda dúvida da força do gênero e do que o grupo vai causar?

UMA MÁQUINA CHAMADA K-POP

Não é segredo para ninguém que a indústria por trás dos grandes nomes da música pop sul-coreana é, na verdade, se comporta como uma fábrica de marionetes. A formação das bandas e, até mesmo, seu prazo de validade, são minuciosamente calculados num planejamento que assemelha ao praticado pelas forças militares. Se isso é bom ou ruim, cabe ao público que consome a dizer.

O estilo bebe da fonte da música pop norte-americana e adiciona elementos de música eletrônica e hip-hop. Aliás, a cultura sul-coreana tem grande influência dos Estados Unidos. Sem entrar em méritos políticos, dá para criar relações e congruências com os conflitos das duas Coreias e a difícil relação entre a do Norte e os americanos. Apropriações culturais são fatores que contribuem para a dominação de um povo. Voltemos ao nosso tema…

Fazer parte da A-list do k-pop exige dedicação, esforço e disciplina. A maratona é intensa, a rotina demanda disposição para encarar ensaios que exigem qualidade técnica e a sua perfeita execução, principalmente quando a dança faz parte do pacote. E aqui vale uma investida e tanto em recursos como playback que são absolutamente justificáveis quando vemos o empenho na execução das elaboradas coreografias que agora são copiadas em todo o mundo.

Como é de se imaginar, a cultura oriental adora procedimentos, seguir normas e regras e o surgimento de uma nova boyband passa por um ritual protocolar e diplomático. Ao mesmo tempo, tudo é contagiante. Eu tô com a melodia de Crown, do TXT, há mais de uma semana na cabeça.

Os adoradores “raíz” do estilo grudento e cativante certamente viram os olhos quando vêem a proporção que os artistas de lá estão conquistando. Vale até uma estufada no peito para dizer que curtem o estilo muito antes do hype. Fato é que o k-pop não apareceu do nada e vem há muito tempo lutando para conquistar o seu espaço. E encontrou.

A ausência de boybands ocidentais que sejam capazes de emplacar em todo o planeta, fez com que o k-pop aproveitasse a brecha deixada pelo One Direction e conquistado fãs em todo o mundo. E tão fazendo isso muito bem.

Que outros estilos regionais, cantado em outras linguas – diferentes do tradicional inglês – se espelhem no avassalador sucesso do k-pop e possam criar conexão com fãs em todo o mundo.

Ouça o primeiro mini álbum do TXT e siga os perfis oficiais da boyband nas redes sociais: