RELEMBRE: Retrospectiva da Música 2019!

Retrospectiva da Música 2019

Prontos pra ‘Retrospectiva da Música 2019’?

Acho incrível a capacidade do ser humano em interpretar a virada de um ano como uma nova chance de fazer diferente, de repensar a vida, de colocar novas metas e objetivos… mesmo que, doze meses depois, se dê conta de que nada mudou, muitas vezes. O importante é refletir que 365 dias são suficientes para que muita coisa aconteça para o bem ou para o mal, depende dos olhos de quem vê e se está ou não dentro daquele contexto.

2019 não foi um ano fácil. De jeito algum. Tivemos grandes tragédias que tiraram a vida de inúmeros inocentes, vítimas da ganância – como o caso de Brumadinho – ou mesmo da injustiça social, do preconceito e da selvageria da PM, como no caso de Paraisópolis.

 

RETROSPECTIVA DA MÚSICA 2019! 

Se na vida comum, milhões de coisas aconteceram no ano passado, imagine só quando falamos de música. Confira aqui os principais acontecimentos do ano, na ‘Retrospectiva da Música 2019′!

Cardi B Grammy 2019
Cardi B no Grammy 2019. Foto: Reprodução

2019 foi o ano de colher frutos. Cardi B foi consagrada no Grammy como a primeira mulher a ganhar o prêmio de Melhor Álbum de Rap. Enquanto Kacey Musgraves surpreendeu e levou pra casa o prêmio mais importante da noite: Álbum do Ano! No Brit Awards, Tom Walker foi a surpresa ao ganhar o prêmio de Revelação do Ano, enquanto os queridinhos do The 1975 levaram o de Álbum do Ano.

O cinema também colheu o que plantou. A biopic do Queen, Bohemian Rhapsody se tornou a maior cinebiografia da história! O sucesso do filme foi tanto que levou pra casa o prêmio de Filme Musical do Ano, no Globo de Ouro, enquanto seu protagonista, o ator Rami Malek, levou o troféu de Melhor Ator.

Outro filme que deu o que falar foi a cinebiografia de Elton John. Rocketman trouxe um relato humano e sincero, mostrando as fraquezas e vunerabilidades de um dos ícones da cultura pop mundial.

Ponto alto também foi a vitória do Critic’s Choice, do Brit Awards. Em 2019 o vencedor foi Sam Fender que agradou também ao lançar o seu disco de estreia, o Hypersonic Missiles. O álbum figura entre os 40 mais vendidos do ano na Inglaterra. Um ótimo começo de carreira.

O ano também foi muito feliz para Ariana Grande. Com o lançamento do seu disco Thank You, Next, a cantora conseguiu emplacar hits nas três primeiras posições da Billboard Hot 100, fato que não acontecia desde os Beatles, em 1964, por um mesmo artista. Pra terminar o ano, a cantora lançou um disco ao vivo da sua mais recente turnê.

O K-pop também fez história. O grupo BlackPink emplacou e conseguiu espaço no palco do Coachella, fazendo das meninas o primeiro grupo sul-coreano a conseguir tal feito. Do lado masculino, o BTS provou que é quem domina o kpop. Embarcaram numa turnê multimilionária, que passou pelo Brasil, alcançaram o primeiro lugar dos rankings na Inglaterra, tornando os garotos como os primeiros artistas coreanos a atingir essa marca, além de lançarem documentário exibido em 110 países!

Outro feito que vale o registro foi a apresentação histórica da eterna Sporty Spice Melanie C na Parada do Orgulho Gay, de São Paulo. Em cima de um trio elétrico, a cantora apresentou hits solo e das Spice Girls para uma plateia superior à 3,7 milhões de pessoas!

 

Nossa estrela pop maior, Anitta também roubou a cena. Lançou disco novo, emplacou diversos hits em português, inglês e espanhol e ainda participou do disco mais recente da Madonna, na faixa ‘Faz Gostoso’. Um golaço!

 

QUEM ROUBOU A CENA NOS CHARTS? 

Mariah Carey
Mariah Carey – foto: Divulgação

Mariah Carey finalmente atingiu o primeiro lugar da Billboard com o single All I Want for Christmas is You, lançado em 1994! Foram vinte e cinco anos esperando e lutando até que o marco chegou e parece não querer ir embora. A canção permanece em primeiro lugar pela terceira semana conscecutiva nos Estados Unidos!

Na Inglaterra, Tones and I permaneceu em primeiro lugar por 11 semanas com o mega hit Dance Monkey, quebrando recordes e se tornando uma das faixas de maior longevidade no topo do ranking oficial da terra da Rainha.

Quem poderia imaginar que o novato cantor escocês Lewis Capaldi atingiria sucesso estratosférico em 2019? O disco de estreia do cara, o Divinely Uninspired To A Hellish Extent foi o álbum mais vendido do ano na Inglaterra. A contagem oficial contabiliza os streams e as vendas físicas e somados chegam a mais de 640 mil cópias. Lewis ainda aparece em #1 com a música mais vendida e ouvida do ano! Someone You Loved ficou sete semanas em primeiro lugar no ranking oficial, e acumulou ao longo do ano a incrível marca de 228 milhões de streams – SOMENTE NA INGLATERRA!

Por aqui, no Brasil, Gusttavo Lima continuou reinando. Pelo segundo ano seguido, é dele a música mais tocada do ano, no país. De acordo com dados do Connect Mix, entidade que monitora as músicas nas rádios, a canção Cem Mil foi reproduzida mais de 850 mil vezes nas AMs, FMs, rádios comunitárias e rádios web do Brasil, em 2019.

Billie Eilish – Foto: Reprodução

Billie Eilish também conquistou seu lugar ao sol. Diversas músicas nos rankings de todo o mundo, um dos discos mais vendidos do ano na Inglaterra, mas foi em casa – nos Estados Unidos – que o mundo realmente conspirou a favor. Billie é uma das mais indicadas ao Grammy 2020, foi eleita pela Billboard a ‘Mulher do Ano’ e encabeça a lista de final de ano da Billboard 200 com o seu When We All Fall Asleep, Where Do We Go?. Os números revelam que o álbum de Billie foi o mais vendido do ano, nos Estados Unidos, superando a marca de 2,5 milhões de cópias vendidas.

Já no quesito canção, a faixa mais vendida e ouvida do ano nos Estados Unidos foi a Old Town Road, de Lil Nas X com Billy Ray Cyrus. A música se tornou a faixa que mais ficou em #1 nos Estados Unidos em toda história da música! Foram incríveis 19 semanas no topo do ranking!  De acordo com a própria Billboard, a faixa vendeu 8.478.000 cópias, cerca de um milhão a mais que a faixa segunda colocada Sunflower, de Post Malone.

os melhores ÁLBUNS DE 2019! 

Quer saber quais foram os melhores discos lançados em 2019!? Vem direto pro nosso post especial! 

AS ‘REUNIONS’ DE 2019! 

A música POP foi a que mais ganhou com as reunions de 2019! E só teve retorno poderoso, que rendeu boas cifras aos cofres dos artistas e seus agentes! A ‘Retrospectiva da Música 2019’ traz alguns dos principais retornos do ano. Quer ver só?

A turnê da dupla Sandy & Júnior arrebatou o país. Foram filas e filas intermináveis para conseguir ingresso para o tão aguardado retorno dos irmãos. A turnê Nossa História rendeu 16 shows no Brasil, 1 em Portugal e 1 nos Estados Unidos. A turnê, a primeira em 12 anos, marcou os 30 anos de carreira da dupla. Dados revelados pelo jornal carioca Extra, apontam que os shows arrecadaram a cifra de incríveis R$ 120 milhões, fazendo da Nossa História, a maior turnê de um artista brasileiro! Incrível e merecido!

Retrospectiva da Música 2019
Foto: Divulgação Oficial Turnê Sandy & Júnior

Outra turnê nacional que deu o que falar foi o retorno dos Los Hermanos. Foram 10 encontros com os fãs, sendo 1 deles no Lollapalooza Argentina, para comemorar os 20 anos do lançamento do primeiro disco da banda que trazia hits como Anna Julia, Primavera e Quem Sabe. Os fãs ficaram com gostinho de quero mais….

Nos Estados Unidos, o retorno que mais rendeu burburinho na imprensa, nas premiações e até mesmo nos charts foi o retorno do trio Jonas Brothers. Os irmãos estavam “separados” por 6 anos e a volta foi muito melhor do que poderiam imaginar. O novo disco, Hapiness Begins – o primeiro de estúdio em dez anos – atingiu o primeiro lugar da Billboard com 414 mil cópias vendidas na semana do seu lançamento, em junho. O feito fez com que o trio alcassasse uma das melhores vendagens de 2019! O single de retorno ‘Sucker’ também atingiu o topo do ranking. No final deste mês de janeiro, a banda entra em turnê pela Europa já com boa parte dos ingressos vendidos!

Foram apenas 13 apresentações, mas o suficiente para arrecadarem mais de US$ 78 milhões com a venda de 700 mil ingressos. Com shows agendados apenas na Irlanda e Inglaterra, as Spice Girls mostraram ao mundo o porquê continuam a ser a maior girl band da história da música. Mel B, Emma, Geri e Melanie C levaram a Spice World Tour para grandes estádios e realizaram os shows mais grandiosos da carreira, superando até mesmo o auge da banda nos anos 90. Com todos os shows esgotados, ainda tiveram três apresentações no lendário Wembley Stadium. Victoria Beckham deve ter ficado com birrazinha por não ter participado do momento histórico para a girl-band.

Ainda pelas bandas do Reino Unido, o Westlife voltou pra ficar. A boyband, considerada a de maior sucesso no UK, resolveu voltar com tudo. Não apenas com uma turnê comemorativa, mas com álbum novo e a promessa de ficar no radar por um bom tempo. Primeiro, a Twenty Tour celebrou os vinte anos do grupo – os 51 shows renderam cerca de 64 milhões de Euros, em bilheteria. Em novembro, o lançamento de Spectrum, o décimo primeiro disco do quarteto. E na sequência, o anúncio da nova turnê Stadiums in the Summer Tour para meados de 2020. Os fãs agradecem!

Uma das bandas que surpreendeu ao anunciar o seu retorno foram os caras do My Chemical Romance! A banda fez a primeira apresentação do retorno, em Los Angeles, em dezembro e tem datas marcadas de novos shows em março, na Ásia! Será que vem novidade neste 2020?

O Cansei de Ser Sexy foi outra banda que retornou em 2019, mesmo que tenha sido – até agora – para uma única apresentação. Queridinhos dos descolados dos anos 2000, a banda se apresentou no Popload Festival, em novembro, e causou histeria revivendo grandes hits, mas fazendo uma apresentação ligada nos dias atuais. Agora é aguardar pra ver se teremos mais! Torcemos.

Depois de muita especulação, ao longo dos anos, outra girlband voltou à ativa e promete novidades para 2020. As Pussycat Dolls retornaram com apresentação no The X Factor inglês, onde a líder da banda Nicole Scherzinger foi uma das juradas da última edição. O – agora quinteto – promete música nova ainda para este mês de janeiro e saem em turnê a partir de abril! Não estranhe se, em breve, tiver algum anúncio da vinda das garotas ao Brasil.

 

QUEM VAI DEIXAR SAUDADE… 

2019 levou grandes nomes da música nacional e internacional para um lugar mais confortável, deixando saudades aos fãs, amigos e familiares. E tendo a dizer que as mortes são sempre precoces, independente da idade, porque não há dúvidas do quanto esses nomes teriam a acrescentar à cultura.Vamos relembrar os artistas que nos deixaram com a ‘Retrospectiva da Música 2019!’

Retrospectiva da Música 2019!
Marcelo Yuka – foto: Reprodução

Aos 53 anos, Marcelo Yuka – músico, cantor, compositor, escritor, ativista – faleceu em janeiro passado, vítima de infecção generalizada. O músico estava há meses lutando contra diversos problemas de saúde, incluindo um AVC que o levou ao coma induzido.

Dama do teatro nacional e de tantas e tantas performances Bibi Ferreira, dona de uma voz potente e surpreendente até mesmo nos últimos anos de vida, foi brilhar nos palcos do céu, aos 96 anos. Deixa um legado para a cultura brasileira como poucos.

Por falar em voz, o que falar da morte de Deisi Cipriano, do Fat Family, em fevereiro, que faleceu aos 39 anos, vítima de câncer? Quem não dançou e cantou seus hits nas festinhas e tentou fazer as dancinhas com o pescoço que o grupo tanto repetia?

Retrospectiva da Música 2019!
Keith Flint – Foto: Reprodução

Pode-se dizer que a música britânica teve um representante de peso no quesito irreverência, unido ao talento. O mundo foi testemunha da potência que foi Keith Flint, do Prodigy. Me orgulho demais de ter visto a banda ao vivo, há mais de uma década. Um dia que vai ficar pra sempre na memória. Keith faleceu em março, aos 49 anos.

O jornalista musical Paulo Cavalcanti (ex-editor da Rolling Stone Brasil), seus textos, seu conhecimento ímpar sobre música, deixarão saudades. Vítima de um infarto, Paulo faleceu aos 57 anos.

A morte de André Matos segue aquela linha das tragédias que a gente não espera. Aos 47 anos, vítima de um infarto, o músico conhecido por ter sido vocalista de bandas como Viper, Angra e Shaman, faleceu deixando os amantes de música completamente desconcertados. A relevância de André para música é incalculável. Ainda em 2019, o então prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas, decretou oficialmente o Dia Municipal do Metal, a ser celebrado no dia 08 de junho, data da morte de André, como uma forma de homenagear o músico e seus fãs.

Símbolo de orgulho nacional, nosso maior estilo musical nível exportação – a Bossa Nova, perdeu o pai, o seu criador. João Gilberto, o sempre teimoso e rabugento da música brasileira, faleceu em julho, aos 88 anos. Uma tristeza viver num país onde a morte de um gênio da música sequer foi mencionada pelo Presidente da República. Uma vergonha nivel mundial.

Gabriel Diniz certamente era um dos grandes nomes da música para 2019. No início do ano só dava ele nas rádios com seu megahit Jéssica. Mas uma tragédica encontrou o seu caminho. O jovem de 28 anos morreu após a queda do avião, no sul de Sergipe, em maio. O piloto e co-piloto também faleceram no acidente.

Vocalista do Roxette
Marie Fredriksson, vocalista da banda Roxette – foto: Reprodução

Havia 17 anos que Marie Frediksson estava lutando contra um câncer. Entre idas e vindas no tratamento, infelizmente, a vocalista do Roxette não conseguiu vencer a batalha e faleceu, aos 61 anos, em dezembro.

Outra mulher forte – e bota forte nisso – que nos deixou, infelizmente, foi a dona do samba. Beth Carvalho faleceu em abril, vítima de infecção generalizada. Vale lembrar que a cantora vinha enfrentando diversos problemas de saúde, desde 2010. Em um dos momentos mais marcantes da carreira, aconteceu quando a cantora se apresentou – em 2018 – deitada numa cama instalada no palco. Mulher de garra que vai deixar saudades.

Vítima de pneumonia, faleceu também em 2019, o MC Sapão, com apenas 40 anos. Problemas respiratórios e o agravamento também de uma pneumonia levaram a morte de Paulo Antônio Pagni, baterista do RPM. Em julho, um dos grandes nomes do rock andrógino, Serguei, faleceu em decorrência de falência múltiplia de órgãos. Aos 68 anos, morreu em agosto, a primeira DJ mulher do Brasil, a talentosa Sônia Abreu. Em setembro, Roberto Leal, aos 67 anos, vítima de câncer.

Quase no finalzinho do ano, a morte de Juice Wrld surpreendeu a todos. O jovem e promissor talento do hip hop norte-americano, morreu aos 21 anos, após um ataque epilético. O que levou ao ataque ainda está sendo investigado pela Polícia.

Que todos eles descansem.